O esporte profissional é cheio de jogadores de segunda e terceira geração, mas pais e filhos geralmente não têm a chance de disputar - ou unir forças. Embora, ao longo dos anos, tenha havido exceções. Assim, à medida que o Dia dos Pais chega daqui algumas semanas, decidimos relembrar alguns casos memoráveis de pais que jogaram com, jogam contra, treinam ou treinam contra seus filhos.

Ken Griffey e Ken Griffey Jr (beisebol)

media Fonte: Getty Images

Uma das poucas duplas de pai e filho a disputar a mesma liga ao mesmo tempo, Ken Griffey Sr. e Ken Griffey Jr. eram na verdade colegas de equipe do Seattle Mariners durante parte das temporadas de 1990 e 1991, e até conseguiram acertar home-runs consecutivos durante um jogo em setembro de 1990. Na época, Griffey Sr. tinha 41 anos e estava chegando ao fim de uma carreira de 19 anos, e Griffey Jr. tinha apenas 20 anos. Vinte e seis anos depois, em 2016 Junior foi apresentado ao Hall da Fama após uma carreira de 22 anos.

Tim Raines e Tim Raines Jr. (beisebol)

media Fonte: Getty Images

Como os Griffeys, Tim Raines e seu filho homônimo também dividiram um campo da liga principal - para os Orioles durante a última semana da temporada de 2001, após uma troca que enviou Raines Pai de Montreal para Baltimore. Infelizmente, a carreira de Raines Jr. não deu certo como seu pai, que foi consagrado no Hall da Fama em julho de 2017, seu último ano de elegibilidade. Mas o breve período como companheiros de equipe foi uma lembrança divertida e única.

Felipe e Moises Alou (beisebol)

media Fonte: Getty Images

O seis vezes All-Star Moises Alou jogou por seu pai, Felipe, durante as duas passagens da carreira administrativa de Felipe, passando as temporadas de 1992-96 com o pai em Montreal, e depois se juntando a ele em São Francisco em 2005 e 2006. A combinação jogador-gerente também se encontrou 43 vezes como oponentes, embora sejam mais conhecidos por seu tempo juntos. “Estou muito orgulhoso”, disse Moises Alou sobre Felipe em 2005. “Em todo lugar que vou na República Dominicana, as pessoas perguntam sobre meu pai e meu tio (ex-jogador Matty Alou)”.

Doc e Austin Rivers (basquete)

media Fonte: Getty Images

Em janeiro de 2015, após uma série de negociações que o levaram de Nova Orleans a Boston e a Los Angeles, Austin Rivers se tornou o primeiro jogador na história da NBA a jogar pelo pai quando ingressou no Los Angeles Clippers, treinado por Doc Rivers. Mais tarde naquele verão, o jovem Rivers - que também jogou contra os times de seu pai - assinou uma prorrogação para ficar com o Clippers. E, em 2016-17, Austin obteve uma média de 12 pontos por jogo na carreira, como titular de meio período na rotação de seu pai.

George e Coby Karl (basquete)

Embora ele nunca tenha jogado pelo pai durante sua carreira profissional, o ex-guard da NBA Coby Karl enfrentou o pai, o antigo treinador George Karl, como membro do Los Angeles Lakers durante a temporada 2007-08. A primeira reunião ocorreu em janeiro de 2008, quando Coby fez entrou nos 3:19 finais de uma vitória do Lakers sobre o Denver Nuggets de seu pai no Staples Center. Mais tarde naquela temporada, a dupla se tornou o primeiro grupo de pai e filho a disputar o playoff como jogador e técnico, com Coby fazendo check-in por 2:02 de uma vitória de Los Angeles no jogo 2 de uma varredura do Lakers na primeira rodada. Hoje em dia, George Karl está fora de treinamento - seu jogo mais recente foi com o Sacramento Kings de 2015-16 - enquanto Coby agora é o treinador do D-Fenders de Los Angeles na D-League.

Gordie, Mark e Marty Howe (hockey)

A lendária carreira do falecido Gordie Howe no hóquei profissional começou em 1946 e não terminou até 1980. E essa longevidade permitiu que Howe passasse várias temporadas jogando ao lado dos filhos Mark e Marty - primeiro com o Houston Eros da WHA e depois com o Hartford Baleeiros da NHL, quando o mais velho Howe tinha 51 anos.

Rivaldo e Rivaldinho (futebol)

media Fonte: Getty Images

Poucos se lembram, mas Rivaldo, então presidente do Mogi Mirim, jogou com seu filho, Rivaldinho, pela Série B do Brasileirão. Eles inclusive marcaram gols na mesma partida, contra o Macaé. Rivaldinho ficou no Mogi Mirim até 2015, quando o pai se aposentou de vez, e se mandou para a Europa, onde atuou na Bulgária e na Romênia.

 

Acesse nossa página de apostas esportivas para curtir a volta dos esportes pelo mundo!