A final da Libertadores de 2022 será disputada em Guayaquil, no Equador, no Estádio Monumental. O local foi previamente escolhido para a decisão, que acontecerá em jogo único. A competição continental funciona assim desde 2019, em formato semelhante ao que acontece na Champions Leaguesaiba qual país tem mais títulos no torneio europeu

Na primeira edição com final em partida única, a decisão aconteceu no Estádio Monumental "U", em Lima, no Peru, e foi vencida pelo Flamengo sobre o River Plate, por 2 a 1, de virada. Na temporada seguinte, Palmeiras e Santos se enfrentaram no Maracanã, no Rio de Janeiro, no começo de 2021, já que a Libertadores de 2020 foi interrompida por um período durante a pandemia de covid-19. O Verdão levou a melhor e conquistou o título – saiba qual é a premiação da Recopa.

Na última temporada, Montevidéu, no Uruguai, recebeu a finalíssima, novamente decidida entre dois clubes brasileiros, Palmeiras e Flamengo, e outra vez com os palmeirenses ficando com a taça, a terceira da história do clube – veja todos os clubes brasileiros campeões em 2021. Foi a oitava vez que a capital uruguaia foi palco de uma decisão da Libertadores.

Em 62 edições do torneio continental, oito países sul-americanos (Brasil, Argentina, Chile, Uruguai, Colômbia, Paraguai, Equador e Peru) e um país europeu, a Espanha, tiveram a honra de assistir à taça sendo erguida em seu solo. O Brasil é o maior anfitrião de campeões, com a final sendo decidida em terras tupiniquins em 19 oportunidades. A Argentina recebeu a decisão por 14 vezes; o Chile, nove; o Uruguai, oito; a Colômbia, quatro; o Paraguai, três; Equador e Peru, duas; e Espanha, em Madrid, uma – em 2018, quando o clássico entre Boca Juniors e River Plate, por questões de segurança, não pôde ser realizado na Argentina.

Veja, a seguir, a lista das cidades que mais receberam finais de Libertadores ao longo da rica história da competição, que começou em 1960, e está na 63ª edição em 2022 – dê seus palpites no futebol sobre quem vai ficar com a taça neste ano.

media

São Paulo

O maior palco de decisões da Libertadores é São Paulo, a maior cidade da América Latina. Três clubes locais já foram campeões: Palmeiras (três vezes), São Paulo (três vezes) e Corinthians (uma vez). O Santos, que fica no litoral e é o time com mais artilheiros na história do Paulistão , também contribuiu para que a cidade esteja no topo, já que o título de 2011, o terceiro da história do clube, foi conquistado no Pacaembu, sobre o Peñarol, do Uruguai.

O ‘Paca’, além de 2011, recebeu as finais de 1961, quando o Palmeiras foi vice-campeão contra o Peñarol; de 2002, outro vice de um time paulista, dessa vez o São Caetano, finalista pela única vez e derrotado pelo Olimpia, do Paraguai; e 2012, quando o Corinthians foi campeão sobre o Boca Juniors.

O Morumbi foi sede da partida decisiva em cinco oportunidades. Três delas com o dono do casa, o São Paulo: em 1992 e 2005, ficando com o título, e 1994, ficando com o vice – o título de 93 foi conquistado em Santiago, no Chile. As outras duas finais que o estádio são-paulino recebeu foram duras para dois times brasileiros: o Palmeiras perdeu em 2000; o Santos, em 2003. Ambos foram derrotados pelo Boca Juniors.

O estádio Palestra Itália (conhecido também como Parque Antarctica) viu o Palmeiras ser campeão da competição pela primeira vez, em 1999. Hoje reformado e chamado de Allianz Parque, o local segue colecionando histórias na Libertadores.

Buenos Aires

A capital argentina não fica para trás. Buenos Aires recebeu um jogo derradeiro de Libertadores por nove vezes – La Bombonera, em 1963, 1978, 1979 e 2001; Monumental de Núñez, em 1962, 1986, 1996 e 2015; e El Nuevo Gasómetro, em 2014, foram os estádios ‘privilegiados’.

O Boca Juniors, time local, foi campeão em casa em 1978 e 2001. A equipe ficou com o vice em 1963 e 1979. Já o River Plate, rival, foi campeão nas três finais que disputou em casa, em 1986, 1996 e 2015. A decisão de 1962, no Monumental, foi neutra para os argentinos – a disputa foi entre Peñarol e Santos, e o Peixe levou a melhor. A final de 2014 terminou com o título do San Lorenzo sobre o Nacional, do Uruguai.

Santiago

Santiago, no Chile, está empatada com Buenos Aires como a segunda cidade que mais sediou finais de Libertadores, nove vezes, apesar de os chilenos terem apenas um título da competição continental, conquistado pelo Colo-Colo, em 1991 – na ocasião, a decisão aconteceu no Monumental de Santiago.

As outras oito finais aconteceram no Estádio Nacional de Chile, em 1965, 1966, 1967, 1974, 1976, 1982, 1987 e 1993. Por muito tempo, a cancha foi escolhida para ser neutra e palco do terceiro jogo entre dois clubes de outros países. Somente em 1982, quando o Cobreloa perdeu para o Peñarol, e 1993, quando a Universidad Católica foi vice diante do São Paulo, é que o estádio recebeu finais de times chilenos.

Montevidéu

A capital uruguaia foi sede de oito finalíssimas. A mais recente, em jogo único, entre Palmeiras e Flamengo, em 2021, no Estádio Centenario, que recebeu todas as decisões que aconteceram na cidade. Além da última temporada, os uruguaios assistiram aos jogos decisivos de 1968, 1970, 1973, 1977, 1980, 1981 e 1988.

Porto Alegre

Porto Alegre, no Brasil, foi palco de quatro finais: duas no Beira-Rio, estádio do Internacional, e duas no Olímpico, antiga casa do Grêmio. Os dois clubes gaúchos foram campeões nas quatro oportunidades. O Tricolor, vale destacar, ainda conquistou um terceiro título, fora do país, contra o Lanús, em 2017.

Outras cidades

Assunção, no Paraguai, e Avellaneda, na Argentina, receberam três finais cada – mesmo número de Minas Gerais, as três no Mineirão, que viu um título e um vice do Cruzeiro, em 1997 e 2009, respectivamente, e uma taça do Atlético-MG, em 2013.

O Rio de Janeiro foi palco de duas decisões, ambas no Maracanã. Além do jogo neutro da temporada de 2020, entre Palmeiras e Santos, o Maraca recebeu a final de 2008, entre Fluminense e LDU, que terminou com o vice do Tricolor carioca. Guayaquil, no Equador; Lima, no Peru; e Medellín, na Colômbia, também sediaram duas finais cada.

Dentre as cidades que receberam apenas uma decisão estão Bogotá e Manizales, na Colômbia; Lanús e La Plata, na Argentina; e Madrid, na Espanha, única sede fora da América do Sul. A final na capital espanhola aconteceu em 2018, entre Boca Juniors e River Plate, por conta de falta de segurança para realizar o clássico argentino após confusões com torcidas no primeiro duelo. O título ficou com o River Plate.

Quem vai levar a melhor na Libertadores de 2022? Acesse nossa página Futebol bets e faça suas apostas.