Desde que começou a jogar profissionalmente pelo Manchester United, em 2015, Marcus Rashford chama a atenção. Também não é para menos: subiu para o time principal do gigante inglês aos 18 anos, logo conseguiu um espaço entre os titulares e fez oito gols em 18 jogos na temporada 2015/16, de estreia.

As boas atuações consolidaram o ponta esquerda em Manchester, que naturalmente começou a ser convocado para a seleção inglesa. Hoje com 23 anos, o camisa 10 do United segue sendo uma esperança para o país, mas dentro e fora de campo também.

O ano de 2020, em especial, foi o responsável pela transformação de Rashford em ‘herói nacional’. E tem muita explicação. Diante da quarentena que o mundo se viu obrigado a realizar, o atacante começou a alertar para o fato de que as escolas não distribuiriam as merendas e aumentaria, desta forma, a fome infantil na Inglaterra.

Só que o engajamento do atacante de apenas 23 anos é excepcional e tem encantado o mundo da bola e toda a população do país europeu, como um todo. Sempre conectado com a sua raiz pobre e humilde, Rashford quis ajudar as crianças em situação vulnerável com a força que tem nas redes sociais.

E os resultados foram impressionantes. Pressionando o governo para olhar com atenção para o assunto, ele conseguiu, por exemplo, que o primeiro-ministro Boris Johnson prolongasse o programa de refeições para crianças desfavorecidas ainda em junho.

"O que o Rashford fez é mais importante que qualquer jogo de futebol. Ele mudou a vida de milhares de crianças e isso mostra o grande ser humano que ele é. E a isto junta um talento inegável como jogador. Espero que ele continue a fazer grandes coisas dentro e fora do campo", disse o técnico do United, Ole-Gunnar Solskjaer.

Só neste episódio em questão, Rashford conseguiu que 1,3 milhões de crianças necessitadas mantivessem o voucher semanal para compra de comidas na Inglaterra.

“Isso não é sobre política. Isso é sobre humanidade. Olhando a nós mesmos no espelho e sentindo que fizemos tudo o que pudemos para proteger aqueles que não podem, por qualquer razão ou circunstância, se protegerem. Afiliações políticas à parte, não podemos todos concordar que nenhuma criança deveria ir dormir com fome? O governo adotou uma abordagem do que for necessário para a economia -- hoje estou pedindo a vocês que estendam esse mesmo pensamento para proteger todas as crianças vulneráveis em toda a Inglaterra”, escreveu Rashford, no início da campanha, em uma carta aberta que rodou o mundo.

Além de entrar em contato diretamente com o governo de Johnson, Rashford transformou suas redes sociais para continuar no combate contra a fome infantil. Ele divulga com certa frequência as ações da FareShare, rede de caridade destinada a aliviar a pobreza alimentar e diminuir o desperdício de alimento em todo o Reino Unido.

E para ‘fiscalizar’ de perto as coisas que divulga e apoia, o atacante do Manchester United aproveita as folgas do futebol para visitar os lugares, ver as entregas e acompanhar o sorriso no rosto das crianças, que o veem ainda mais como ídolo diante dessas atitudes.

Depois da fome, campanha para leitura

O ativismo de Rashford não para por aí. Depois de oficializar a luta contra a fome, e encaminhar projetos tanto com o governo, como com ONGs, Marcus Rashford percebeu que poderia fazer ainda mais. Recentemente, ele firmou uma parceria com a editora MacMillan para estimular a leitura entre crianças de cinco a 18 anos, com foco especial aos jovens que não têm acesso a livros. Em 2021, ele irá lançar a sua própria obra.

Está programado para maio do ano que vem o título ‘Você é um campeão: liberte seu potencial, encontre sua voz e seja o melhor que você puder ser”. Esta será a primeira de algumas obras que o jogador fez acordo para produzir com a editora.

“Que nossas crianças possam ler que não estão sozinhas e que isso as possibilite sonhar. Que as equipemos para os obstáculos e as adversidades que elas poderão encontrar. Que permitamos que elas possam se identificar com os personagens ao garantirmos que pessoas de todas as raças, religiões e gêneros sejam retratadas corretamente e de forma representativa na sociedade moderna”, disse Rashford, quando firmou a nova parceria.

“Independentemente de onde você tenha crescido, o talento deveria ser reconhecido e defendido. No ‘Clube de Leitura Marcus Rashford’, jovens escritores, ilustradores e criadores serão vistos e a plataforma lhes será oferecida para que brilhem”, ressaltou o atleta.

Rashford vira capa de revista

O sucesso fora de campo naturalmente coloca Rashford perto da mídia. Mas não é só isso. O garoto já tem 10 gols e cinco assistências em 18 partidas na temporada 2020/21 e é um dos destaques do Manchester United.

Foi assim que chegou à capa da GQ, famosa revista norte-americana para homens, com artigos de moda, estilo, cinema, esporte, tecnologia e livros. É considerada uma publicação luxuosa e sofisticada e com pessoas poderosas.

É o que Rashford tem se tornado na Inglaterra, tem mostrado no Reino Unido. Mais que um craque dentro das quatro linhas, ele prova que pode transformar o mundo pelo talento e fama que o futebol lhe dá. Tudo isso com 23 anos.

Rashford também segue brilhando no Campeonato Inglês. Quais times sairão melhores nas próximas rodadas? Faça suas apostas na Premier League e demonstre todo seu conhecimento no futebol.