O divertido filme de Hollywood de 2017 "Borg vs. McEnroe" sobre as personalidades e eventos que antecederam o épico duelo de Wimbledon de 1980 entre os grandes tenistas Bjorn Borg e John McEnroe levanta a pergunta óbvia: essa era a maior rivalidade do tênis?

Poderia muito bem ter sido, se Borg não tivesse se aposentado em 1983 aos 26 anos de idade, privando os fãs de tênis de quem sabe quantas batalhas clássicas entre o sueco camarada e o volátil americano nos anos seguintes. No entanto, a rivalidade Borg-McEnroe, por mais abreviada que seja, entra facilmente nossa lista das 10 principais rivalidades do tênis de todos os tempos.

Mas liderando nossa lista estão as rivalidades de homens e mulheres que duraram muito mais e apresentaram muitos momentos memoráveis, mesmo que nunca cheguem à tela grande.

10- Roger Federer x Novak Djokovic

Esta é a versão masculina de Navratilova vs. Graf, no sentido de que a rivalidade pode ser negligenciada pelos duelos de cada homem com outra pessoa (Rafael Nadal). Como Navratilova e Graf, Djokovic e Federer praticamente empataram durante essa longa rivalidade, com o sérvio mantendo uma pequena vantagem sobre o maestro suíço em suas reuniões durante as carreiras.

Talvez o mais digno de nota sobre essa rivalidade seja que cada homem é o único que venceu o outro nos quatro torneios do Grand Slam. Eles são considerados os dois principais jogadores de quadra dura da era Open.

9- Rod Laver x Ken Rosewall

media Fonte: Getty Images

Essa é a única rivalidade masculina na nossa lista que ocorreu em grande parte durante a era pré-Open do tênis, quando os Grand Slams eram limitados a amadores. Os dois australianos se enfrentaram pela primeira vez no circuito profissional em 1963 e se enfrentariam surpreendentemente 164 vezes (pelo menos) nos 13 anos seguintes.

Quando a era do Open chegou em 1968 - abrindo o Grand Slams para todos os participantes - os dois já estavam em sua rivalidade épica. Como o destino queria, eles só se encontrariam nos Grand Slams duas vezes durante suas carreiras, no Aberto da França de 1968 (o primeiro Grand Slam da era Open) e 1969. Rosewall prevaleceu em quatro sets em 68, com Laver vencendo o seguinte ano no caminho para uma varredura dos Grand Slams de 1969.

Sua melhor partida provavelmente ocorreu na final do Campeonato Mundial de Tênis de 1972, quando Rosewall venceu o Laver em uma maratona de cinco sets, 4-6, 6-0, 6-3, 6-7, 7-6. Se a era do Open tivesse chegado uma década mais cedo, não há como dizer quantos clássicos de Grand Slam esses dois teriam encenado.

8- Steffi Graf x Monica Seles

media Fonte: Getty Images

Por maior que fosse essa rivalidade entre as duas protagonistas femininas dominantes do início dos anos 90, poderia ter sido muito mais, se não fosse pela esquisita punhalada em quadra de Seles por um fã louco de Graf em 1993. Na época do esfaqueando, a jovem Seles parecia ter eclipsado Graf no topo do jogo das mulheres, mas sua carreira nunca se recuperou totalmente do episódio que a afastou por mais de dois anos.

Embora seja tentador se concentrar no que poderia ter sido, também há muito o que saborear em termos do que aconteceu entre esses dois grandes nomes. Semelhante à rivalidade de Evert-Navratilova, este foi violento, com as duas jogadoras trocando períodos de domínio. Graf venceu cinco de seus sete primeiros encontros, mas Seles venceu três das quatro primeiras vezes que se enfrentaram nas finais do Grand Slam. Eles se encontraram duas vezes mais para os títulos de Grand Slam após o retorno de Seles das facadas (nos EUA de 1995 e 1996), com Graf vencendo as duas vezes.

A partida mais cintilante da breve rivalidade (elas se encontraram apenas 15 vezes no total) foi a final do Aberto da França de 1992, onde Seles venceu por 6-2, 3-6, 10-8.

7- Pete Sampras x Andre Agassi

media Fonte: Getty Images

No que diz respeito às rivalidades americanas, esta compete com McEnroe vs. Connors pelo melhor faturamento. Pete Sampras e Andre Agassi entraram na cena do tênis no início dos anos 90, quando Connors e McEnroe se aposentaram e dominaram o jogo dos homens por grande parte da década. Enquanto Agassi era o mais chamativo dos dois e tinha mais facilidade em alcançar o status de celebridade (ajudado em parte por seus relacionamentos fora da quadra com Brooke Shields e Graf), Sampras geralmente tinha vantagem na quadra.

Com os cabelos esvoaçantes de Agassi, roupas não tradicionais e sucesso comercial com o lema "imagem é tudo", o impacto de Agassi no esporte, principalmente no início de sua carreira, transcendeu sua coleção de troféus. Por sua parte, Sampras era apenas um grande tenista comum, que levou a excelência individual no esporte a um nível que nunca foi alcançado por nenhum de seus antecessores no lado masculino.

Foi justo que a última partida dessa rivalidade tenha chegado à final do Grand Slam, com Sampras prevalecendo em quatro sets no Aberto dos EUA de 2002. Foi o final perfeito para uma rivalidade que durou 12 anos.

6- Billie Jean King x Margaret Court

media Fonte: Getty Images

Como Borg e McEnroe, essa rivalidade teve um pouco de amor nas telonas no filme de 2017 "Batalha dos Sexos", embora o filme tenha sido enquadrado em torno de suas partidas com o misógino Bobby Riggs e visões contrastantes sobre o movimento feminista na década de 1970.

Aparentemente, Court superou essa rivalidade, vencendo 22 de suas 32 reuniões de carreira e quatro de seus cinco confrontos nas finais do Grand Slam (que abrangeram as épocas pré-Open e Open). Mas o triunfo de King sobre Riggs na partida "Batalha dos sexos", em 1973, também molda o significado histórico dessa rivalidade. As partidas com Riggs, e resultados contrastantes, provavelmente são muito maiores na história do que o domínio de Court sobre King na quadra, incluindo um memorável 14-12, 11-9 na final de Wimbledon de 1970.

Sua rivalidade também continuou em certo sentido nas décadas desde que terminaram suas carreiras, com seus pontos de vista concorrentes em relação ao casamento gay e direitos LGBT. Em 2003, King sugeriu que a Margaret Court Arena do Australian Open mude seu nome por causa dos comentários depreciativos da Court sobre gays e transgêneros.

5- Serena Williams x Venus Williams

media Fonte: Getty Images

Facilmente a maior rivalidade entre irmãos da história de qualquer esporte, Serena x Vênus seria mais alta em nossa lista se não fosse pelo fato de ter sido um caso desigual, com Serena vencendo sete de seus nove encontros nas finais do Grand Slam. As coisas não começaram assim: Vênus venceu seus três primeiros confrontos frente a frente e sua primeira reunião final do Grand Slam, o Aberto dos EUA em 2001. Mas tem sido tudo sobre Serena desde o seu caminho para incríveis 23 títulos de Grand Slam, em comparação com os sete de Vênus.

Ainda assim, ambas conquistaram o primeiro lugar no mundo em momentos diferentes durante suas longas carreiras e conseguiram o feito impressionante de se encontrarem em quatro finais consecutivas de Grand Slam, abrangendo o Aberto da França de 2002 ao Aberto da Austrália de 2003. Serena venceu todas as quatro reuniões. A última vez que Vênus venceu sua irmã mais nova em uma final do Grand Slam foi em Wimbledon 2008, quando ela venceu por 7-5, 6-4.

4- John McEnroe x Bjorn Borg

media Fonte: Getty Images

Não obstante o tratamento de Hollywood, este não faz parte da lista de durabilidade. Os dois grandes se enfrentaram apenas 14 vezes no total, mas quatro deles foram para as finais do Grand Slam. Como um cometa brilhante, Borg e McEnroe iluminaram o mundo do tênis de uma maneira que poucos têm antes ou depois. Suas personalidades contrastantes (o fogo de McEnroe e o gelo de Borg) foram tanto o que tornou essa rivalidade inesquecível quanto o que aconteceu na quadra.

É claro que a breve rivalidade entre Borg e McEnroe será sempre definida principalmente pela final de Wimbledon de 1980 e, mais especificamente, pelo lendário quarto set. A inclinação de Roger Federer e Rafael Nadal em 2008 pode ter superado a Borg-McEnroe como a maior final geral de todos os tempos, mas esse quarto set em 1980 ainda está sozinho. Depois que McEnroe venceu o primeiro set por 6-1, Borg levou os dois seguintes por 7-5 e 6-3. Isso preparou o cenário para o maior desempate no campeonato da história do tênis. O americano impiedoso de alguma forma lutou contra cinco pontos decisivos (para adicionar aos outros dois que ele resistiu no início do set) antes de prevalecer 18-18.

Mas o que no momento parecia um golpe esmagador na busca do sueco pelo quinto campeonato consecutivo de Wimbledon se transformou em um prelúdio para um quinto set igualmente emocionante. De alguma forma, Borg se reagrupou de seu fracasso no quarto set para prevalecer por 8 a 6, caindo de joelhos no que parecia ser igual em alegria e exaustão ao aterrar o golpe decisivo.

A partida decisiva da rivalidade também seria a única vitória do Grand Slam de Borg sobre McEnroe. Incrivelmente, os dois fizeram outro duelo épico de cinco sets, dois curtos meses após a final de Wimbledon, desta vez para o título do Aberto dos EUA. Esta partida seguiu um roteiro diferente, com Borg prevalecendo em um quarto set apertado antes de cair para McEnroe no quinto.

McEnroe em seguida se vingou da quadra central de Wimbledon em 1981, com uma vitória de quatro sets nas finais, terminando a série de 41 vitórias consecutivas de Borg no All England Club. Borg se aposentou do esporte que comandava pouco depois de perder a final do Aberto dos EUA para McEnroe em quatro sets no final do verão. Só podemos pensar nos duelos clássicos que poderiam ter ocorrido entre esses dois gigantes do tênis se Borg não tivesse se afastado.

3- Novak Djokovic x Rafael Nadal

Essa rivalidade é uma das disputas mais prolíficas e uniformes da história do esporte, pois esses dois gigantes se juntaram a Roger Federer no domínio do tênis masculino por mais de uma década. É difícil encontrar outro período na história do tênis, onde três gigantes ficaram quase simultaneamente no topo do jogo por tanto tempo.

Com toda a atenção de Federer e Rafael Nadal na última década, é fácil esquecer que Nadal enfrentou Novak Djokovic muito mais vezes que Federer, e eles foram os primeiros a se encontrar nas finais dos quatro Grand Slams. Enquanto Djokovic tem uma ligeira vantagem geral no seu confronto direto, Nadal venceu em nove das 14 reuniões do Grand Slam e em quatro das sete finais do Grand Slam. Não chega muito perto disso.

Seu encontro no Aberto da Austrália de 2012 está entre as maiores finais de Grand Slam de todos os tempos, bem ali nos Wimbledons de 2008 e 1980. A final mais longa do Grand Slam em quase seis horas, Djokovic prevaleceu em cinco sets fascinantes, 5-7, 6-4, 6-2, 6-7 (5-7), 7-5.

Então, por que essa rivalidade está abaixo de Federer e Nadal? É por pouco, mas Federer e Nadal lutam por mais tempo, com mais reuniões finais de Grand Slam e mais títulos totais de Grand Slam.

2- Rafael Nadal x Roger Federer

media Fonte: Getty Images

Discutivelmente os dois maiores tenistas de todos os tempos, Roger Federer e Rafael Nadal reinaram no jogo por mais de uma década e deram aos fãs inúmeras memórias durante seus inúmeros confrontos diretos. Imagine se a rivalidade entre Borg e McEnroe tivesse durado 15 anos em vez de três. Isso dá uma ideia do que esses dois campeões trouxeram para o esporte com sua excelência sustentada.

Sua rivalidade provavelmente também teve a maior final do Grand Slam da história - maior até do que o clássico de 1980 de Borg e McEnroe. O enredo para a final de Wimbledon de 2008 fez uma pergunta se esses dois campeões poderiam estar à altura do faturamento, mas de alguma forma eles fizeram isso e muito mais.

O que torna a rivalidade ainda mais surpreendente é que, uma década depois do clássico de Wimbledon, eles ainda disputam duelos de roer unhas, incluindo a final do Aberto da Austrália de 2017, na qual Federer venceu em cinco sets, 6-4, 3-6, 6- 1, 3-6, 6-3, apesar de ter perdido dois jogos no último set.

Só podemos esperar que Federer e Nadal continuem desafiando o tempo por mais alguns anos.

1- Chris Evert x Martina Navratilova

media Fonte: Getty Images

Essas duas gigantes do tênis feminino se enfrentaram 80 vezes durante sua rivalidade, que durou grande parte das décadas de 1970 e 1980.

Evert dominou os primeiros anos da rivalidade antes de Navratilova assumir o controle na década de 1980, particularmente nas quadras de grama de Wimbledon e nas quadras duras do Aberto dos EUA. Mas Evert conseguiria a vantagem um momento final em sua superfície favorita, o saibro de Roland Garros em Paris.

Evert venceu 20 dos 25 primeiros jogos entre os dois, mas o pêndulo estava constantemente a favor de Navratilova e, no início dos anos 80, ninguém no tênis feminino parecia tocá-la. Ela conseguiu 13 vitórias consecutivas contra Evert, de 1982 a 1985, e parecia que sua rivalidade terminaria como um caso unilateral.

Mas Evert estava determinada a provar que ainda tinha algo, e a final do Aberto da França de 1985 em Roland Garros seria uma das grandes partidas de sua rivalidade. Evert venceu por 6-3, 6-7 (4-7), 7-5 e defendeu seu título no ano seguinte com mais uma vitória em três sets. O último encontro do Grand Slam nas semifinais de Wimbledon de 1988 seria mais um clássico de três sets, desta vez com Navratilova no topo.

Em termos de domínio inigualável do esporte por dois jogadores por um período tão longo, nenhuma rivalidade na história do tênis pode tocar Navratilova e Evert.

 

Acesse nossa página de apostas em tênis para curtir o que há de melhor nos circuitos masculino e feminino.