Vamos começar logo com a pergunta de 1 milhão de dólares. Seria Serena Williams a melhor atleta de todos os tempos, independente de gênero?

Para responder a essa pergunta, precisamos responder, em primeiro lugar, o que faz uma grande atleta? Seriam momentos marcantes de alta performance? Seria uma carreira consistente? Ou quem sabe ter uma relevância que transcende não apenas gêneros, mas o esporte em si, chegando a níveis de representatividade sem precedentes? Ou seria apenas a fome insaciável de vitórias?

Independente de qual dos fatores acima você acha mais importante, Serena tem todos os eles, e provavelmente mais do que qualquer outra pessoa em todos eles, também.

Vejamos. Quando falamos em momentos marcantes, pensamos logo naqueles momentos decisivos, que costumam separar crianças de adultos. Finais de campeonato, jogos e adversários difíceis, e que mais do que gostaríamos, nos mostram que alguns atletas não são tão bons quanto imaginávamos. Os famosos “pipoqueiros”.

Serena, no entanto, não tem um grão de milho de pipoca em seu corpo. É de se pensar se ela sequer já comeu pipoca algum dia em sua vida, porque a mulher simplesmente não se apequena em jogos grandes.

Foi assim durante toda a sua carreira. Ela pode até perder a partida, mas jamais vimos Serena ser batida com facilidade por qualquer adversária, em qualquer piso.

Isso fez com que Serena se tornasse, indiscutivelmente, a melhor tenista da história, e com uma distância absurda para quem quer que seja a segunda colocada nessa conversa.

Ela já venceu 23 Grand Slams, mais do que qualquer tenista, seja homem ou mulher. Além disso, Serena é vencedora não uma, nem duas, nem três, mas quatro medalhas de ouro, sendo uma no simples, em Londres 2012, e 3 nas duplas, quando venceu em Sidney, Pequim e Londres, todas ao lado da irmã Venus.

Junte a isso os mais de 100 títulos de torneios do WTA, e você tem, uma das atletas mais vitoriosas da história do esporte, isso se ela não for a mais vitoriosa.

Obviamente, toda essa dominância em títulos caminha lado a lado com uma carreira consistente.

Serena Williams venceu seu primeiro Grand Slam em 1999, 4 anos após se profissionalizar. Desde então, ninguém venceu mais do que ela. O último título de Grand Slam foi em 2017, quando venceu seu 7º Aberto da Austrália, mas ela ainda chegou em 4 finais de GS depois disso, sendo a última ainda este ano, no US Open, quando deu muito trabalho para a canadense Bianca Andreescu.

Resumindo: se você quer falar de carreiras consistentes em alto nível no esporte, você precisa começar a lista com Serena Williams.

No terceiro ponto que elencamos como algo que faz de um atleta, um grande atleta, vem algo um pouco mais subjetivo, mas que é justamente onde Serena consegue se destacar ainda mais.

Títulos são números, e números podem ser incontestáveis por um lado, mas números jogados de forma fria e sem análise de circunstâncias podem ser facilmente derrubados. Quantos jogadores de alto nível não têm suas performances questionadas apesar de números excelentes? Há sempre uma justificativa plausível, como o nível dos adversários contra os quais estes números foram construídos.

Mas além de ter construído seus números contra as melhores segundas colocadas do tênis, Serena conquistou algo que vai além, e que poucos atletas conseguiram na história: ser maior do que o próprio esporte que praticam.

O significado de Serena Williams para o tênis não pode ser mensurado, pois chegou em níveis que ninguém jamais conseguiu fazer. Michael Jordan quase conseguiu isso no basquete, Muhammad Ali também chegou perto no Boxe e Pelé pode ter conseguido no futebol, mas é discutível.

Mas Serena conseguiu se tornar uma personagem que vai além do tênis. Hoje, quando se fala em Serena Williams, se fala em excelência e representatividade. Ela cresceu a uma altura incrível, fazendo com que mais crianças, em sua maioria negras, se interessassem por tênis.

Junto com sua irmã Venus, Serena fomenta o crescimento do tênis em comunidades majoritariamente negras nos Estados Unidos e em outros países, como mostra uma reportagem do USA Today de setembro de 2018.

Por fim, temos que falar da personalidade de Serena Williams. Aqui, sim, há um pouco mais de discussão sobre quem tem, ou teve mais fome de vitória durante a carreira.

Fome de vitória é uma mentalidade e disciplina que poucos atletas conseguem exibir durante suas exibições. Você pode lembrar de Jordan e Ali, já citados neste artigo, como pode lembrar de Cristiano Ronaldo e seus treinos intermináveis, ou de Kobe Bryant e a famosa “Mentalidade da Mamba Negra”, ou até de Tom Brady, que segue vencendo e dominando após os 40 anos.

É esse tipo de mentalidade, que estes atletas e Serena mostraram ao longo de suas carreiras, que os fazem ser tão dominantes. Eles nunca serão imbatíveis e sabem disso. Mas eles se esforçam a níveis inimagináveis para chegar o mais perto da perfeição, e isso os torna atletas mais bem-sucedidos que a maioria.

Agora, precisamos responder aquela pergunta. Para nós, sim, Serena Williams é a melhor atleta de todos os tempos, independente de gênero. Há atletas que chegam perto, como Jordan e Ali, mas apenas Serena consegue dominar pelo menos 3 das 4 categorias que elencamos para definir o que faz um grande atleta.

 

Concorda com nossa afirmação? Então acesse nossa página de apostas em tênis e fique de olho nos próximos jogos da incomparável Serena Williams.