Desde que o hóquei existe, há brigas no gelo.

Embora o lugar desses confrontos no esporte venha sendo questionado recentemente, o combate dentro da modalidade continua sendo uma grande parte do jogo profissional na América do Norte.

A primeira briga regulamentada oficialmente na NHL - então conhecida como fistcuffs ("socos") - aconteceu em 1922, cinco anos após a temporada inaugural da liga, e milhares de brigas aconteceram no gelo desde então.

Ao longo desses 99 anos, certos times desenvolveram uma reputação de jogo sujo e, subsequentemente, de entrar em brigas.

O Boston Bruins - cujas odds em caso de título da Stanley Cup de 2021 são de 11/1 em sites de casa de aposta - e o Anaheim Ducks são frequentemente citados por fãs entre os times mais sujos da era moderna.

Mas será que essas reputações são merecidas? Em resumo, sim.

Desde a temporada 2010/11, nenhum time esteve mais envolvido em brigas do que os Bruins, que receberam 371 penalidades graves por brigas (fighting majors) nesse período.

Boston também lidera a liga em penalidades por instigar brigas durante esse período. O time foi punido por iniciar 21 brigas nas últimas 10 temporadas da NHL.

Os Ducks receberam 363 penalidades graves por brigas desde 2010/11 - o segundo número mais alto da NHL.

Anaheim, porém, não é frequentemente o agressor - pelo menos oficialmente - e tem apenas nove punições por instigar brigas nas últimas dez temporadas, o que coloca o time na metade inferior entre os times da NHL.

Outros times frequentemente envolvidos em brigas são o Ottawa Senators, o Columbus Blue Jackets e o Philadelphia Flyers, com 323, 316 e 309 penalidades graves por brigas, respectivamente, desde 2010/11.

Tanto os Flyers quanto os Senators provocam muitas brigas. Philly foi punido por instigar 15 brigas, enquanto Ottawa sofreu 18 punições do gênero no mesmo período.

O New York Islanders e o Florida Panthers estão entre os times mais agressivos da NHL na era atual. Eles receberam 19 e 15 punições por instigar brigas, respectivamente, desde 2010/11.

O jogo sujo, obviamente, vai além das brigas, e Philadelphia somou 8.951 minutos no penalty box desde 2010 - mais do que qualquer outro time.

media

Na outra extremidade da lista, o Carolina Hurricanes é o time menos envolvido, com apenas 132 penalizações graves por brigas desde 2010/11.

Carolina também é quem soma menos tempo no penalty box na NHL. O time recebeu apenas 6.091 minutos de punição nas últimas dez temporadas.

O Detroit Red Wings recebeu apenas uma penalidade grave por briga a mais do que os Hurricanes no mesmo período e é o terceiro time com menos tempo no penalty box.

Também figuram entre os times mais limpos o Chicago Blackhawks e o Arizona Coyotes, que estão no top 5 com menos penalidades graves por brigas e minutos totais de penalização.

Desde 2010, nenhum time provocou menos brigas do que o Toronto Maple Leafs, que sofreu apenas uma punição por instigar em dez temporadas.

Se essas estatísticas confirmam ou negam as suspeições dos fãs sobre os times mais sujos da NHL, há uma questão mais importante em debate no hóquei: as brigas têm futuro na modalidade?

É um debate que existe há muitos anos, com opositores alegando que elas causam lesões desnecessárias - especialmente ao cérebro - desperdiçam tempo e roubam a atenção dos aspectos mais técnicos do esporte.

Os que querem a continuidade das brigas na NHL acreditam que elas ajudam a impedir outras formas de jogo sujo - permitindo que os jogadores se policiem - e que também dão proteção aos craques do esporte.

Do ponto de vista dos fãs, muitos acreditam que as brigas deixam o hóquei mais divertido, e alguns até assistem às partidas na esperança de ver um quebra-pau começar.

Qualquer que seja sua opinião sobre o assunto, as estatísticas contam uma história ameaçadora para o futuro das brigas no hóquei.

media

Durante a temporada 2010/11, houve uma média de mais de uma briga a cada duas partidas - 0,52 por jogo, para ser exato.

Em 2019/20, esse número caiu para 0,18.

De modo geral, o número de brigas na NHL caiu em 70% nos últimos dez anos, e as penalidades graves por brigas foram de 1.274 em 2010/11 para apenas 388 em 2019/20.

A temporada 2018/19 foi a primeira dos tempos modernos em que menos de 200 partidas tiveram uma penalidade grave por briga, com a temporada 2019/20 dando sequência.

Outra consequência é que menos jogadores estão se envolvendo em brigas.

Em 2010/11, um número recorde de 348 jogadores participaram de pelo menos uma briga em algum momento da temporada. No ano passado, menos de 250 jogadores tiraram suas luvas para brigar.

Todas estatísticas relevantes mostram que as brigas na NHL estão em queda, e não há nada que sugira que esse padrão vai mudar em breve.

O que isso significa para o futuro da liga ainda é incerto.

Opositores esperam que isso acelere a exclusão total das brigas na modalidade, enquanto os favoráveis podem argumentar que brigas em números inferiores são o melhor dos dois mundos - os jogadores ficam mais seguros, e os fãs ainda são brindados com uma emoção ocasional.

Caso as brigas sejam banidas, então os Bruins, os Ducks e os outros times mais combativos da NHL enfrentarão um período de incerteza em que seu estilo de jogo terá de mudar.

O que quer que aconteça, uma coisa é certa: o assunto não pode ser ignorado por mais muito tempo.

A NHL está se aproximando de uma encruzilhada, e a direção tomada pode mudar o hóquei para sempre.