Para muitos, ele já é o maior piloto da história da Fórmula 1. Aos 36 anos, Lewis Hamilton é heptacampeão da categoria. Se levantar a taça mais uma vez, supera Michael Schumacher e se tornará isoladamente o maior vencedor de todos os tempos. Aliás, a coleção de recordes que o piloto inglês já possui é impressionante. Maior número de vitórias, mais pontos conquistados, maior sequência de corridas finalizadas dentro da zona de pontuação, mais pole positions, piloto que mais vezes subiu no pódio e terminou na zona de pontuação, mais voltas na liderança. E por aí vai. A lista é realmente gigante.

Hamilton conquistou o primeiro campeonato na Mclaren. Mas o domínio veio mesmo quando foi para a Mercedes. De 2013 pra cá, foram impressionantes 6 títulos. Um domínio que a categoria poucas vezes viu. Por isso, é o grande favorito em qualquer site de apostas online. Mas, em 2021, ele ganhou concorrência à altura.

Aos 23 anos, Max Verstappen já se consolida como um grande piloto: “Mesmo sem ter um título, já é um campeão. Extremamente talentoso”. Palavras de Felipe Massa, que tem 11 vitórias na Fórmula 1 (veja vídeo acima). Há anos, está claro que o holandês só precisava de um carro capaz de competir com a Mercedes. E isso finalmente aconteceu.

A disputa acirrada entre os dois fez a emoção voltar à categoria. Pequena diferença de pontos, e a briga pelo titulo parece que vai se estender até a última prova: “Em qualquer esporte, quando tem só um vencedor, faz mal para a categoria. As pessoas querem ver disputa, e é isso que estamos vendo dessa vez”, diz Massa.

Aliás, Felipe Massa foi o último piloto brasileiro a fazer parte do grid. A principal categoria do automobilismo não tem um brasileiro desde 2017. Em uma temporada tão empolgante, faz falta alguém carregando a bandeira verde e amarela: “O Brasil sempre foi muito tradicional na Fórmula 1. Pilotos com muito sucesso. O brasileiro ama a categoria. Fico triste em ver que há 4 anos não estamos representados lá”, afirma Massa, que hoje corre pela Stock car: “Sinto falta do carro da Fórmula 1, mas não da politicagem. Sou muito mais feliz em fazer parte de um campeonato sem política nenhuma, fazendo só aquilo que eu amo”.