Considerado um dos campeonatos mais difíceis do mundo, o Brasileirão é de fato equilibrado e possui diversos protagonistas ao longo de sua história, iniciada oficialmente (com este nome) em 1971. De lá para cá, os 12 grandes clubes do país venceram o título ao menos uma vez e viram craques brilharem com suas camisas nas partidas do torneio nacional.

Seja com mata-mata ou pontos corridos, as conquistas históricas geralmente contam com ataques poderosos e jogadores mestres em empurrar a bola para as redes. É o caso, por exemplo, do atual campeão Flamengo: em 2019, Gabigol fez 25 gols, comandou o clube carioca e foi o artilheiro da competição.

Recentemente, Diego Souza, hoje no Grêmio, entrou para a história do Campeonato Brasileiro. O jogador de 35 anos, que se transformou em atacante quando começou a ficar velho e perdia mobilidade, mostra eficiência em mais uma função: balançar as redes. Ele chegou a 116 gols, igualou a marca de Luis Fabiano e se tornou o 10º maior artilheiro de toda a história do campeonato.

Revelado no Flamengo, Diego Souza começou a carreira como volante. Aos poucos, foi avançando e chegou ao meio de campo: o vigor físico, o bom chute e as chegadas à área o tornaram em um meia-atacante mais para frente. Agora, aos 35, ele é centroavante de ofício – chegou até a defender a seleção brasileira em 2018, já na nova posição.

O carioca também tem outra marca importante: ele participou de todas as edições do Brasileirão por pontos corridos (de 2003 para cá). De acordo com levantamento do jornalista Rodolfo Rodrigues, do UOL, Diego Souza é recordista neste quesito ao lado de Fábio Santos. O gremista, no entanto, é o único a ter pelo menos um gol em todas as 18 edições que jogou.

Abaixo, veja quem são os maiores artilheiros da história do Campeonato Brasileiro e confira o gráfico.

media

10 – Diego Souza e Luis Fabiano

Diego Souza igualou Luis Fabiano ao fazer um gol contra o Palmeiras no Brasileirão 2020. O atacante, que obviamente irá passar o ídolo são-paulino, empatou ao anotar seu gol de 116 no torneio. Fabiano, no entanto, leva vantagem no aproveitamento. Enquanto ele precisou de 212 jogos para chegar ao número (média de 0,55 gol a cada 90 minutos), Diego Souza conseguiu depois de 433 partidas (média de 0,27).

9 – Washington (Coração Valente)

À frente de Diego Souza e Luis Fabiano está o Coração Valente Washington. Depois de viver o drama de quase ter que largar o futebol por causa de problemas no coração, o goleador deixou seu nome gravado na história do Brasileirão. Com as camisas do Athletico Paranaense, Fluminense e São Paulo, principalmente, o camisa 9 fez 126 gols e ocupa a nona colocação na artilharia histórica. Chama a atenção, porém, a média: Washington precisou de 201 jogos para chegar à marca, o que lhe coloca com 0,63 gol por partida – uma das melhores do top-10.

7 – Dadá Maravilha e Serginho Chulapa

Empatados com 127 gols no Brasileiro estão dois dos maiores centroavantes que o futebol brasileiro já produziu. Dadá Maravilha, autor da icônica frase “Não existe gol feio, feio é não fazer gol” fez história no Atlético-MG e ganhou o Brasileirão duas vezes. Ele também venceu a Copa do Mundo com a seleção brasileira, em 1970.

Já Serginho Chulapa tem uma rica história nos paulistas Santos e São Paulo. No Peixe, clube no qual presta serviço até os dias de hoje, atuou entre 1983 e 1990 e fez 99 gols. Já no Tricolor do Morumbi, Chulapa viveu a fase mais artilheira da carreira. Foram 242 gols em 399 jogos. Ele tem um título do Brasileirão e foi parte do timaço do Brasil na Copa de 1982, que marcou época mesmo sem ter vencido o Mundial.

6 – Túlio Maravilha

Outro que não poderia estar fora da lista de artilheiros do Campeonato Brasileiro é Túlio Maravilha. O centroavante, que diz ter 1000 gols na carreira, fez história no Botafogo campeão de 1995. O camisa 9 era o grande líder técnico do ataque do Glorioso e fez boa parte dos 129 gols na competição naquele ano. Ele tem média de 0,54 por partida, já que disputou 241 jogos.

5 – Zico

O eterno ídolo do Flamengo é o único jogador da lista que nunca jogou como atacante – o que comprova o talento e eficiência do Galinho para fazer gols, mesmo atuando como um 10 legítimo. Zico mandou 135 bolas para as redes (muitas delas em cobranças precisas de falta) em 249 partidas. Ao todo, o ex-jogador participou de 16 edições do Campeonato Brasileiro, ganhando quatro troféus.

4 – Fred

O segundo da lista ainda em atividade é Fred. Artilheiro do Brasileirão por pontos corridos, o camisa 9 do Brasil na Copa de 2014 tem 150 gols no torneio. Fred anotou todos estes tentos em 16 edições e 304 jogos. A média de 0,51 é expressiva, e o atacante, hoje no Fluminense, tem tudo para subir bem ao top-3 da história.

3 – Edmundo

O “Animal” brilhou por Vasco, Flamengo e Palmeiras, principalmente, e deixou o nome na história do Campeonato Brasileiro com 153 gols – Fred deve ultrapassá-lo em breve. O reserva de Ronaldo na Copa de 1998 tem média de 0,48 gol por jogo, uma vez que disputou 316 duelos do Brasileirão.

2 – Romário

O “Baixinho”, claro, não poderia ficar fora da lista. Considerado por muitos como o melhor de todos os tempos dentro da grande área, Romário sempre deixou sua marca nos anos em que disputou o Brasileirão. Tem um gol a mais que Edmundo (154), mas precisou de bem menos jogos (251) para atingir a marca: 0,61 de média. Foram 15 campeonatos do astro do Mundial de 1994 no Brasileirão – um privilégio, se considerar o fato de que o camisa 9 poderia, mas não quis, seguir carreira na Europa.

1 – Roberto Dinamite

O grande artilheiro do Campeonato Brasileiro é Roberto Dinamite, talvez o maior jogador da história do Vasco. O atacante disputou 21 vezes o torneio, venceu dois títulos e anotou incríveis 190 gols. O número recorde foi conseguido em 328 partidas, com média de 0,58 por jogo. Os diversos gols plásticos, aliás, fizeram o centroavante, que brilhou da década de 1970 a 1990, passar dos 500 tentos na carreira.

Quem levará o título da edição de 2020? Inter, São Paulo, Atlético-MG ou Flamengo? São as últimas rodadas, faça suas apostas no Brasileirão!