Se o Campeonato Brasileiro é considerado um dos mais equilibrados e difíceis do mundo, sempre tem também, a cada edição do torneio nacional, alguns candidatos ao rebaixamento à Série B do futebol local. Em 2021, por exemplo, a Chapecoense é a principal favorita a um descenso para a segunda divisão, algo que vem se confirmando já na segunda metade da competição (o clube está na última posição).

O time de Santa Catarina, que resistiu como pôde aos problemas após a queda do avião com toda a delegação em 2016, conheceu o primeiro rebaixamento para a Série B em 2019. Na temporada seguinte, o clube foi bem na segunda divisão, assumiu a primeira colocação nas rodadas finais e ficou com o título. Agora, neste ano, deve deixar a elite do futebol nacional pela segunda vez.

O movimento 'iô iô', sobe e desce para a Série A, é perigoso e acaba sendo a rotina de alguns clubes de médio porte no futebol brasileiro. A Chape, diante deste cenário, indica entrar para essa lista desagradável.

Esses times, queira ou não, acabam sendo os clubes que mais amargam rebaixamentos à Série B do Brasileirão: eles têm força para vencer a segunda divisão, mas não o suficiente para se manter no topo do futebol.

Abaixo, veja os times com mais rebaixamentos à Série B do Brasileirão.

Avaí, Criciúma, Fortaleza e Vasco: 4 quedas

media Fonte: Miguel Schincariol /Getty Images Sport via Getty Images

O movimento de sobe e desce no futebol brasileiro pode ser exemplificado na sequência de quedas do Avaí. O time catarinense conheceu o primeiro rebaixamento em 2011, depois de conseguir se salvar em 2010, com uma 15ª colocação ao final de 38 rodadas.

Depois de ir para a Série B em 2012, o clube demorou um pouco para se reestruturar e retornar à elite. Quando voltou, porém, não conseguiu ser consistente: caiu em 2015, 2017 e 2019, em uma sequência em que intercalou uma temporada na segunda divisão, outra na Série A.

Quem também tem quatro quedas e divide a terceira colocação dos clubes com mais rebaixamentos é o Criciúma. Outro catarinense de médio porte, o Tigre tem quedas na elite do Brasileirão mais espaçadas. A primeira aconteceu em 1988, ainda em um campeonato de módulos e mata-mata. Elas voltaram a ocorrer em 1997, 2004 e 2014. Desde então, o clube não retornou à Série A.

O Fortaleza, um dos maiores do estado do Ceará, conheceu o rebaixamento pela primeira vez em 1983. Naquele ano, os eliminados na primeira fase ou na repescagem do Brasileirão iam para a Taça de Prata na mesma temporada, jogando as fases finais da Série B.

Por fim, com quatro quedas, o Vasco ocupa o posto com as equipes listadas acima e é o recordista entre os grandes clubes do Brasil. O Gigante da Colina empilhou más gestões, entrou em crise financeira e esportiva e não conseguiu fazer valer sua força em quatro torneios nacionais. Chama a atenção o intervalo entre a primeira e a quarta queda, um período de apenas 13 anos: 2008, 2013, 2015 e 2020.

Santa Cruz e Sport: 5 quedas

media Fonte: Miguel Schincariol /Getty Images Sport via Getty Images

Empatados com cinco rebaixamentos na segunda colocação do ranking histórico aparecem dois clubes: Santa Cruz e Sport. Os times do Recife dividem o posto desagradável, mas com trajetórias um pouco distintas.

O Santa, que disputou com relevância campeonatos nacionais de elite nas décadas de 1980 e 1990, caiu pela primeira vez em 1988. Pouco depois, a instabilidade levou o Tricolor à Série B em 1993, 2001 e 2006. A má fase parecia sem fim: o Santa Cruz chegou à quarta divisão antes de retornar à elite. A última queda, que não contou com um novo acesso, ocorreu em 2016.

Já o Sport tem três rebaixamentos recentes e entra no grupo de clubes que sobem e descem com frequência. Caiu em 2001, 2009, 2012 e 2018, além de conhecer o descendo em 1989. Vale destacar que a primeira queda aconteceu dois anos após o polêmico Brasileirão de 1987, disputado na justiça pelo Leão e pelo Flamengo.

América-MG, Vitória, Coritiba e Goiás: 6 quedas

media Fonte: Pedro Vilela / Getty Images Sport via Getty Images

Quatro clubes simbolizam o que é subir e rapidamente já retornar à Série B do Brasileirão. Considerados de médio porte no Brasil, América-MG, Vitória, Coritiba e Goiás têm bastante força na segunda divisão, mas nem sempre conseguem repetir o sucesso na elite. Eles acabam sendo, portanto, ‘mestres’ em construir e reconstruir elencos para jogar na elite e fora dela.

América-MG e Vitória dividem o posto de times com mais rebaixamentos à Série B desde 2018. O time mineiro caiu em 1993, 1998, 2001, 2011, 2016 e 2018. Já a equipe baiana tem quedas registradas em 1982, 1991, 2004, 2010, 2014 e 2018.

Na temporada passada, Coritiba e Goiás também conheceram a sexta queda para a segunda divisão. Além de 2020, o Coxa havia sido rebaixado em 1989, 1993, 2005, 2009 e 2017. O Goiás, por mais que seja um dos grandes do estado, sofre com frequência na Série A: caiu em 1982, 1993, 1998, 2010, 2015 e 2020.

Você pode acompanhar todos os jogos da segunda divisão do futebol brasileiro na Betway. Conheça o site e aproveite para fazer apostas na Série B.