Que a pizza é um dos alimentos mais famosos do mundo, não há como negar. Mesmo com costumes diferentes e receitas adaptadas, é fácil encontrar um pedaço de pizza em qualquer canto do planeta. Aqui no Brasil, a redonda faz tanto sucesso que ganhou até uma data comemorativa para homenagear a junção de massa, molho de tomate e recheios diversos. 

O dia 10 de julho foi estipulado como Dia da Pizza nacionalmente pelo secretário de turismo do estado de São Paulo, em 1985. Caio Luiz Cibella de Carvalho promoveu um concurso estadual para eleger as 10 melhores pizzas de marguerita e mussarela. O evento foi tão grande e atraiu tantas pessoas que seu encerramento se tornou a data oficial para comemorar as redondas no país. 

Esse carinho especial pelo prato é tanto que se tornou marca registrada da cidade de São Paulo. Com uma forte influência da imigração italiana em alguns de seus bairros - principalmente Mooca, Bixiga e Bela Vista -, a capital se consolidou como a segunda cidade a mais consumir pizzas no mundo, ficando atrás apenas de Nova York, segundo a  Associação Pizzarias Unidas do Brasil.

Mas o apego não se restringe à população de São Paulo. A fim de entender como funciona o consumo da redonda nas cinco regiões do país, nosso time de caça níqueis online conversou com a Associação Pizzarias Unidas do Brasil, reuniu os dados disponíveis e cruzou com informações proprietárias vindas de um questionário que foi respondido por mais de 500 pessoas de diferentes estados, idades e classes econômicas. Veja os resultados:

De ponta a ponta

Um milhão de pizzas são produzidas todos os dias no Brasil e mais da metade desse número se concentra na cidade de São Paulo. São cerca de 572 mil pizzas vendidas na cidade por dia! 

A tradição da pizza na terra da garoa é tão grande que a polêmica sobre o que colocar no pedaço antes de comer é levada a sério: enquanto no Brasil todo é comum usar condimentos na redonda, 86% dos paulistanos, segundo dados coletados em pesquisa interna, acreditam que isso seja um crime - só um azeitinho a mais e olhe lá!

Cada região do país tem as suas especificidades quando o assunto é predileções. No entanto, o sabor é unanimidade: a pizza de calabresa é a preferida nas cinco regiões. Mas atenção, porque a “calabresa” nem sempre é a mesma: “fora de São Paulo é muito comum a calabresa vir com queijo”, explica Gabriel Concon, sócio-diretor da rede Pizza Prime, com lojas em todas as regiões do Brasil. “Outros sabores que fazem sucesso nas regiões Norte e Sul, respectivamente, são os sabores regionais, como o Camarão Gratinado, Camarão com Jambu, muito comum nessas regiões, além de Linguiça Blumenau e Pizza de Coração”.

Outra curiosidade regional é o tamanho da pizza. Enquanto a maior parte dos locais serve uma pizza grande com 8 pedaços, no Sul é comum que o maior tamanho tenha 12, chegando a medir 40 centímetros. 

De acordo com a Associação Pizzarias Unidas do Brasil, além de São Paulo, os estados do Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul estão entre os primeiros colocados no consumo da pizza. O dia preferido para pedir pizza, por todo Brasil, fica entre sexta, sábado e domingo. O motivo é, provavelmente, a necessidade de compartilhar: se trata de uma opção acessível, que serve até 4 pessoas e pode vir com mais de um sabor - perfeita para dividir entre a família ou no grupo de amigos, com um ótimo custo-benefício. 

No gráfico abaixo você encontra mais sobre como cada região do Brasil gosta de sua pizza.

media

Além de gostar de pizza, outra grande característica do brasileiro é a sua criatividade e forma inusitada de misturar sabores e chamar atenção para o seu negócio. Entre os sabores clássicos de pizza, a Mussarela, a Marguerita e a Calabresa são logo lembrados no imaginário mundial. Mas pizza de… Sushi? Strogonoff? Acredite, essas também são opções populares em pizzarias pelo Brasil afora. 

A regionalização dos sabores é comum - opções com carne seca no Nordeste e Norte, opções com linguiças diferenciadas na região Sul... Mas até o feijão tropeiro serviu como inspiração para uma pizza na tradicional Padaria Real, em Sorocaba, em São Paulo. Inspirações de outros cantos do mundo também valem. Em Belo Horizonte, no restaurante Parada do Cardoso, é possível pedir uma redonda indiana, com curry e chutney de hibisco. 

Mas, para muitos estabelecimentos, criar sabores inusitados é uma forma de se promover e atrair clientes. Surfando na onda da campeã do BBB21, a pizzaria Chegou, em Fortaleza, criou o sabor Juliette, adicionando o salgadinho Pippo’s, que a vencedora do programa disse no ar ser seu favorito, a um recheio mais tradicional. O post no Instagram anunciando a novidade - que nem foi para a loja, apenas para as redes sociais - rendeu matérias e seguidores novos para o local.

Outra pizzaria que aposta neste tipo de marketing é a Bate-Papo Pizzaria, no litoral sul de São Paulo, no Guarujá. “Foi uma ideia que surgiu do nada. Uma vez, fiz uma pizza com um frango assado no meio e curtiram bastante. Então, continuei sempre fazendo algo que chamasse a atenção”, diz Ricardo dos Santos, empresário por trás da pizzaria. Uma garrafa de whiskey e um coco, um pudim, um abacaxi e até uma caixa com cervejas já foram usados nas invenções da pizzaria - assim como muito arroz, feijão, feijoada, batata frita e peças de churrasco. Ricardo revela que estes sabores diferentões não são vendidos para o público geral, apenas para o buzz nas redes sociais. Porém, as pizzas gigantes, com 5 sabores, 16 pedaços e 50 centímetros, são a especialidade da casa!

Ficou curioso com os sabores mais diferentes do Brasil? Selecionamos 10 preciosidades culinárias para você conhecer!

media

Todo esse carinho com a pizza no Brasil também pode ser percebido na Economia. O setor das pizzarias cresce consistentemente, lucrando R$ 2 bilhões a mais nos últimos 5 anos. Hoje, existem mais de 40 mil pizzarias espalhadas pelo país e, em sua maior parte, os restaurantes são empresas familiares, com 99% das empresas desse meio adotando o regime de impostos Simples Nacional, de acordo com o SEBRAE.

Esse crescimento persiste mesmo em tempos adversos. No último ano, o mundo inteiro passou por mudanças de comportamento e com as pizzarias não foi diferente. Muitas empresas viram a necessidade de se digitalizar e adotar o delivery - e aquelas que já tinham esse tipo de serviço puderam aproveitar o boom. “O mercado de pizzaria entrega um excelente custo-benefício, é muito democrático e reage rápido, se sobressaindo a outros alimentos no delivery em períodos de dificuldades”, explica Gabriel Concon. O empresário acredita que esses foram os motivos para o sucesso das vendas. Inclusive, muitas pizzarias aproveitaram para criar os seus próprios aplicativos de entregas a domicílio, para otimizar as taxas de aplicativos estilo iFood, Rappi ou Uber Eats. 

Porém, o vice-presidente da Associação Pizzarias Unidas do Brasil acredita que, para o futuro, viver a experiência do restaurante seja um ponto que volte a ser importante para o setor: “o delivery se manterá como tendência,  principalmente pela praticidade oferecida, mas devemos ver o crescimento de outras opções também, motivados pela experiência do salão, que é um gancho muito forte”, diz André Cotta.

Quer saber mais sobre a movimentação do mercado das pizzarias? Confira o infográfico abaixo!

media

O universo da pizza é gigantesco e alcança multidões de fãs pelo Brasil, além de experts e empreendedores que viram na redonda uma alternativa de renda com ótima margem de lucro. 

Diferentemente de pratos sazonais, que fazem sucesso durante alguns anos e depois desaparecem, a pizza nunca deixará de estar em alta e atender mesmo aos paladares mais exigentes - e, portanto, merece ser celebrada.